View down a data center hallway with blue lighting and green LEDs (Visão em profundidade de um corredor de data center com raios azuis e LEDs verdes)

Como testar um SSD Empresarial Parte 1: Use seu ambiente exato com dados reais, aplicativos e hardware

Isto é um fato. você recebe pelo que pagou. O mesmo acontece na compra de SSDs. Mas escolher o SSD certo não é tão simples quanto confiar em uma ficha técnica para saber realmente como as coisas funcionarão no seu sistema. Claro, você pode encontrar vários drives baratos na Amazon e deixar alguém feliz sob uma perspectiva orçamentária. Mas quando esses drives desabarem sob a tensão do uso ininterrupto 24/7 todos ficarão felizes com a necessidade de substituir todos eles?

Escolher o SSD de classe empesarial certo significa realizar testes no mundo real para ver como eles se comportarão quando entrarem em produção. Testes e comparações levam os drives até seus limites de falha, para verificar a resistência e observar se o desempenho se alterará ao longo do tempo.

Este artigo em duas partes examinará a fundo os desafios e sugestões para criação e operação de testes efetivos de SSDs empresariais; primeiro, sob uma perspetiva de hardware, configurando seu equipamento de teste, depois examinando como comparar benchmarks.

Com isso em mente quais são as exigências de hardware para uma base de testes?

Testes reais precisam de hardware real

Racks de servidores

Primeiro, você não pode realizar testes empresariais adequados em um laptop, e qualquer um que disser o contrário estará mal informado. Sua base de testes deve começar com um hardware de data center no mundo real. Isso significa um servidor exclusivo com controladores RAID como aqueles encontrados no data center.



Se você está comprando um novo sistema de testes, nós recomendamos um servidor 2U operando chipsets de geração atual. Se você planeja testar um NVMe, selecione uma placa-mãe que suporte PCIe 4.0, já que esta é compatível com drives PCIe 3.0 e está pronta para a mais recente geração de produtos. Baseado em fatores de forma, preencha com um número definido de drives SATA ou NVMe configurados para o seu controlador RAID. Você pode também escolher um cartão de rede PCIe com largura de banda alta.

Estado Estável ou NADA

A person in a suit drawing an upward trending curve on a line chart (Uma pessoa de terno desenhando uma curva ascendente em um gráfico de linha)

Ao testar, é importante saber que o desempenho de um drive mudará ao longo do tempo. Por essa razão é crítico um precondicionamento antes de cargas de trabalho sequenciais e randômicas. Ambas têm seus próprios padrões de precondicionamento e são extremamente importantes para atender ás especificações.

Depois que o drive estiver totalmente gravado e preenchido ele se comportará de modo diferente em comparação a um drive que acabou de sair da caixa. Desse modo, é ainda mais importante testar um drive depois que estiver preenchido e operando em estado estável.

Isso pode exigir o desenvolvimento de scripts específicos para ajudar a gravar com conjuntos de dados apropriados que correspondam ao caso de uso em questão. Por exemplo, se você usar muito MySQL, PHP ou Oracle, essas bases de dados criam scripts que preencherão o drive com a quantidade apropriada de tabelas de dados antes de executar suas cargas de trabalho de benchmark OLTP. Se você usar drives para computação virtual, precondicione o disco rígido virtual para assegurar que alcance um desempenho de estado estável.

Quando se trata de considerações sobre hardware você precisa lembrar que todos os testes devem reproduzir condições de trabalho do mundo real. Desde o estado sólido de um drive até os sistemas e componentes conectados, a única manera de executar com segurança seus testes para resultados precisos é iniciar com a configuração de hardware que melhor corresponda ao seu ambiente de data center.

#KingstonIsWithYou

Em nosso próximo artigo, examinaremos como criar os relatórios que apresentarão benchmarks precisos para comparação com seus SSDs.

Produtos relacionados